Os Gideões são o braço estendido da igreja, para executar os propósitos de Deus onde, muitas vezes, a igreja não pode ir, como presídios, hospitais e escolas.
Eu, Robinho, como era conhecido na família, fui alcançado aos 15 anos, porque os Gideões foram fiéis em distribuir Novos Testamentos.
Meu interesse pelo evangelho foi despertado quando recebi um Novo Testamento na FURNE – Fundação onde eu estudava. Eu sempre lia os textos indicados na seção “Onde encontrar auxílio quando…”.
Em 1980, uma tia me apresentou o Evangelho e este penetrou no meu coração. Ela recomendou que eu procurasse uma igreja séria, que pregava o evangelho e que eu jamais deixasse de ler a Palavra de Deus. Ela também me emprestou uma Bíblia, que em dois meses e meio eu a li por completo.
Poucos meses depois fui batizado na Igreja Presbiteriana de Campina Grande e seis meses depois, Deus me chamou para o ministério. Quatro anos depois eu me formei no Seminário Presbiteriano do Norte em Recife.
O que meu avô havia ouvido da parte de Deus, os Gideões haviam executado, quando me entregaram o Novo Testamento, que foi a primeira Escritura Sagrada que eu tive.
Certo dia, após assumir o ministério na Igreja Presbiteriana da Liberdade, no primeiro culto, enquanto eu pregava, eu vi meu avô, no último banco.
Ao final do culto ele foi a primeira pessoa a me cumprimentar. Emocionado, ele me entregou um pedaço de papel, anotado o versículo de Provérbios 1:8, dizendo que Deus havia lhe prometido, que não deixaria que a sua herança caísse por terra. Ele lhe daria um homem, na segunda ou qualquer geração, que pregasse o Evangelho, como ele pregava. E eu, seu neto, era o cumprimento dessa promessa.
Irmãos, queridos e amados, não deixem de fazê-lo mesmo que cansados, adoecidos, mesmo enfrentando perseguições e restrições, cada vez maiores nos dias de hoje. Há muitos “Robinhos” nos presídios, nos hospitais e nas escolas, esperando que um Novo Testamento chegue às suas mãos!
Deus abençoe vocês, Gideões! Contem sempre com os pastores e com as igrejas como apoiadores. Acredito piamente no trabalho abnegado, dedicado, sério e ético que os Gideões fazem em todo mundo, para glória de Deus.
Robinson Grangeiro

Compartilhe:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *